Início Artigos ICAPUI: As eleições municipais e os desafios para os servidores públicos

ICAPUI: As eleições municipais e os desafios para os servidores públicos

267
0

Daqui a um pouco mais de 5 meses estaremos passando por mais um processo eleitoral, e nunca é demais externar a importância de elegermos representantes comprometidos com a causa do servidor e do serviço público em geral. Temos um conjunto de conquistas que precisa ser mantido e/ou aperfeiçoado, com um olhar sensível em especial do parlamento.

Não é preciso apontar as dificuldades que temos tidos em avançar em debates importantes para a categoria dos servidores públicos em momentos críticos da nossa luta. Os poderes constituídos, em especial o parlamento (casa das leis) não tem tido a capacidade e/ou disposição de debater, de forma efetiva e aos olhos da tecnicidade, os problemas que afligem os servidores.

Foi nesses termos supracitados que se deu o debate sobre a questão previdenciária, onde fatores alheios ao tema, como partidarização e interesses não condizentes aos dos trabalhadores no serviço público, contaminaram o debate, inviabilizando a construção de propostas que pudessem restabelecer a saúde financeira do instituto de previdência dos servidores.

O exemplo elencado acima é apenas um ponto, entre os tantos que teremos que debater e enfrentar com a próxima gestão, como a reformulação dos PCCR’s da atividade meio e saúde e do Magistério, regulamentação através de legislação de vários temas como: readaptação, Licença prêmio, horário “corrido”, servidores que percebem seus proventos sem prestar os serviços, enxugamento da máquina, dentre outros, precisarão estar na mesa para serem debatidos, aperfeiçoados e/ou corrigidos quando necessário. Os governos futuros terão 02 (dois) caminhos a seguir neste cenário: debater e corrigir essas distorções, ou comprometer todo o processo de valorização dos servidores como a carreira, reajustes e demais vantagens.

Daí a importância das eleições vindouras porque, a depender dos eleitos, poderemos ter ou não nossas demandas e reinvindicações compreendidas e, na medida do possível, atendidas. A outra opção é sermos apenas sujeitos da eleição desses que poderão ser os algozes das nossas conquistas atuais e futuras. Pensem nisso!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui